quarta-feira, 24 de maio de 2017

Aulas de informática


O professor de informática Rogério, está montando turmas para aulas de informática, dois dias na semana, com duração de uma hora, ou uma aula na semana com duração de duas horas.   
                     
O dia fica a critério do aluno, menos no sábado, o aluno pagará apenas R$ 50,00 reais mensais. O curso se realizará na Rua Dr. Marquemburg Carneiro, nº 230,  Centro, Touros -RN. Os interessados devem entrar em contato com o professor Rogério 84 99406-4291.

Carteira de estudante é na UPES


O pessoal que faz carteira de estudante estará em Touros no dia 04 de junho de 2017, das 8h00 às 16h00 a disposição para confecção de carteiras estudantis para os alunos universitários dos curso de Pedagogia e Administração da FACEN, unidade Touros-RN. 

Vale frisar que os alunos da Facen precisa apenas do RG e CPF, tendo em vista que as carteiras serão confeccionadas no espaço que funciona a instituição não necessitará de declaração.

Para alunos de outras instituições pode fazer a carteira, trazendo a declaração ou o número da matrícula da universidade ou cursinho. 

Maiores informações, acerca do local, valor, dentre outras dúvidas ligar ou mandar um zap para 84 99117-0225. Falar com João Nelo.

Dois valores para a mesma mercadoria?

 

Você já pegou um produto na prateleira do supermercado e, ao chegar ao caixa, descobriu que o valor dele era maior? Situações assim são comuns, mas nem sempre o consumidor questiona quais são seus direitos nos estabelecimentos onde isso ocorre.
 
De acordo com o Código de Defesa do Consumidor (CDC), em casos de divergência de preço em relação ao mesmo produto exposto, o consumidor deve pagar pelo menor valor informado. O que significa dizer, por exemplo, que se o consumidor encontrar um produto por R$ 20 na gôndola e no caixa aparecer R$ 18, ele tem direito de pagar o valor mais baixo.

A legislação considera a diferença de preço uma atitude abusiva. E assegura, portanto, que as empresas, supermercados e outros estabelecimentos têm a obrigação de serem claros e corretos quanto às informações descritas. Dessa forma, a melhor opção em casos de divergência de preços é usar a lei a seu favor e exigir os seus direitos.

Como agir?

É importante ficar sempre atento na hora de realizar as compras. No momento de questionar, tenha em mãos os preços anotados ou leve a publicidade que informa outro valor, para que seja possível contestar e comprovar o erro.

Ainda assim, se o estabelecimento não concordar com a lei, você pode desistir do produto ou exigir o estorno do valor na próxima compra. Se a empresa resistir e não aceitar nenhum acordo, recomenda-se que os órgãos de proteção e defesa do consumidor sejam acionados.

A arte de se achar superior aos outros


Em qualquer grupo social existem pessoas que pensam ser superiores a outras por causa do que possuem, dos serviços que fazem ou do cargo que ocupam. Em razão disso, sentem-se em um nível acima dos demais. 
 
Muitas vezes, elas acabam desprezando quem está em uma posição supostamente inferior ou que não tem todas as qualidades que elas reconhecem em si mesmas.

Dentro da Igreja
 
Infelizmente, no meio cristão, isso também acontece. Por vezes, muitos daqueles que são mais ativos na Obra de Deus e que pensam fazer tudo de acordo com a Sua Palavra se deixam levar por esse tipo de pensamento. O orgulho da sua santidade faz com que excluam, maltratem ou rejeitem outros que estão descobrindo a fé ou que não têm a mesma crença.

Essas pessoas, quando apresentadas a alguém, fazem um checklist mental de qualidades que imaginam que um verdadeiro cristão deveria ter. O bispo David Higginbotham, escritor do livro Crentes Possessos, explicou em seu blog que essa lista não é baseada na fé, mas em estereótipos superficiais: “nas reuniões sociais da igreja, poucos cristãos tomam tempo para ‘testar os espíritos’. Ao invés disso, eles preferem usar essa lista de rótulos e ‘quem conhece quem’. Se pessoas não se encaixam na lista, elas normalmente são ignoradas, mal faladas e socialmente rejeitadas dentro da igreja”, afirmou o bispo no texto Esnobismo cristão e credenciais perfeitas.

Além das consequências ruins que essa superioridade traz para a vida espiritual da própria pessoa, uma vez que o orgulho e a arrogância já dominaram o coração daqueles que agem dessa forma, isso acaba por contaminar alguns dos que estão começando a desenvolver sua fé e que terão aquela forma de agir como exemplo. Além disso, essa postura afasta ainda mais os que estão fracos e distantes de Deus.

Desde os tempos bíblicos
 
As Escrituras Sagradas falam a respeito desses crentes que exalam uma falsa santidade apenas para se sentir superiores aos demais. E adverte a respeito dos perigos que isso pode causar.

O Novo Testamento mostra que Jesus entrou diversas vezes em confronto com os chamados fariseus e escribas – conhecedores da Lei de Moisés na Antiguidade – porque eles ensinavam uma fé religiosa e cega ao povo. E, como Jesus significava uma ameaça ao legado daqueles religiosos, eles O crucificaram. 

O livro de Lucas, capítulo 18, conta que Jesus advertiu aos Seus discípulos e à multidão que O seguia sobre essa fé arrogante. A parábola fala sobre dois homens, um fariseu e um publicano, que foram ao Templo orar a Deus. O fariseu dizia ao Senhor: “Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros; nem ainda como este publicano. Jejuo duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto possuo.” Enquanto isso, o publicano falava assim: “Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador!” 

Então Jesus deixou o alerta para eles: “Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado”.

Presos ao engano

Mas como muitos acabam se tornando assim, vendo-se tão superiores? O B.M esclareceu que “a hipocrisia é algo desenvolvido pouco a pouco. A pessoa cansa de perseverar na fé. Ela cansa de viver na obediência à Palavra de Deus. O hipócrita é aquele que quer mostrar aparência de santidade”. Essas pessoas não percebem que, quando se consideram superiores, estão desagradando a Deus. Quando agem apenas para impressionar aos homens, elas deixam de chamar a atenção do Senhor. No momento que desprezam o próximo e o julgam, deixam de cumprir os ensinamentos dados por Jesus em Sua Palavra.

Como mudar?

E o que fazer para mudar essa situação? A Bíblia deixa claro que o arrependimento sincero diante de Deus, a decisão de seguir verdadeiramente as Escrituras (tudo e não apenas o que nos agrada) e uma mudança de postura podem transformar o interior de qualquer pessoa. 

Em Filipenses, capítulo 2, Paulo advertiu a igreja: “não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros. De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz”.

É importante frisar que Deus não nega auxílio a quem está realmente disposto a abrir o coração e reavaliar suas ações. Nunca é tarde para escolher um novo caminho e recomeçar.

Fonte: universal.org

Quem precisa mudar primeiro?


Muitas mulheres reclamam da falta de sensibilidade (ou de noção) do marido de não se mexer para trocar a lâmpada que queimou. Que ele poderia lavar a louça, já que chegou em casa mais cedo do que elas. Que ele deveria sair da frente da TV ou do celular e acompanhá-las ao shopping ou a um passeio qualquer só para que saiam um pouco juntos. 
 
As inúmeras reclamações sempre vêm acompanhadas de um pouco de birra, chantagem emocional e todo melodrama mexicano que aprenderam a fazer na tentativa de sensibilizar o companheiro. 

O que elas não sabem é que até podem estar com a razão – quando querem que eles façam algo que deveria partir deles –, mas o momento e a maneira taxativa que pedem e em muitos casos como mandam fazem com que coloquem tudo a perder. E, assim, tornam-se as erradas porque não sabem ser sábias.

A culpada sou eu?

Claro que você não tem culpa nem é responsável pelos atos de seu marido, afinal, ele já é bem grandinho para saber o que deve ou não fazer como o homem da casa, não é? Ou pelo menos deveria. 

Mas, se você deseja tanto que seu marido mude, precisa deixar que ele faça isso por ele mesmo. Já parou para pensar que talvez ele prefira o futebol porque é um jeito de fugir de tanta cobranças e falatórios desnecessários? Que ele prefere visitar a mãe, em um fim de semana sim e outro também, porque lá tem algo para comer, já que na casa dele não tem?

O que faço, então?

Para Marina Simas de Lima, psicóloga, terapeuta de casais e cofundadora do Instituto do Casal, cada um precisa entender e assumir sua parte dentro do relacionamento. “Todas as atividades e papéis a serem desempenhados – como o profissional, familiar e social – precisam estar alinhados, assim como os propósitos e valores em comum devem estar ajustados à expectativa do casal. É preciso preencher a expectativa de cada um enquanto indivíduo e do casal na relação”, disse.

Algumas atitudes podem minar as expectativas e colaborar para que qualquer projeto de relacionamento conjugal desça pelo ralo. Ignorar os esforços dele e ameaçar se separar por qualquer briguinha não é legal. Aguardar sentada que o cônjuge melhore, como se esperasse por um passe de mágica, é pior ainda. Colocar a culpa e a responsabilidade no outro como se estivesse jogando peteca ou tirar o par ou ímpar para ver quem vai dormir com a razão também não são boas ideias. Então, minha amiga, o jeito é fazer algo que funcione e traga resultados positivos para o relacionamento e para você. 

“Tanto o amadurecimento como a mudança são processos que levam um determinado tempo. Não adianta forçar ou impor uma mudança para o parceiro. O melhor é eu mudar primeiro. Quando eu mudo, o outro vai precisar se readaptar e surge um novo formato. Isso muda o padrão relacional. A pior coisa que existe é ficar aguardando a movimentação do parceiro”, aconselha a especialista.

O processo não será tranquilo, mas certamente valerá a pena. “A mulher precisa se comprometer com o desejo da mudança. Caso contrário, fica muito mais fácil se manter na zona de conforto”, finaliza.

A sua parte na mudança

- Conte até dez ou até mil
Será que discutir realmente vale a pena? Respire fundo e pense duas vezes antes de comprar uma briga.

- Diga que se importa
Deixe-o saber o que você considera importante, em vez de esperar que ele adivinhe. É aquele almoço em família? É um tempinho a sós no meio da semana? Estabeleçam prioridades como um casal.

- Analise reações
Em vez de gritar e revidar à altura, porque não fazer diferente? Talvez o melhor não seja provocar uma reação, mas levá-lo ao silêncio, à reflexão.

- Procure a sua melhor versão
Gaste energia em algo que a ajude e preserve sua paz de espírito. Um novo aprendizado ou o cuidado com o corpo e a saúde podem lhe fazer muito bem.

- Tenha jogo de cintura
É válido primeiro falar algo positivo e depois colocar o que precisa ser alterado.

Fonte: O Godllywood visa auxiliar mulheres em toda e qualquer situação, desde que ela deseje realmente ser auxiliada e moldada para uma mulher melhor. Conheça mais sobre o grupo e saiba como participar dos projetos clicando aqui.

terça-feira, 23 de maio de 2017

Oportunidade única para quem deseja investir






A CFA está vendendo casas individuais, com três quartos, pronto para morar, últimas unidades. A CFA está vendendo também terrenos 15 x 30, localizados na Praia de Pitangui, Loteamento Praia do Farol. Interessados deve procurar a corretora Edineuza Lima, nos contatos 84 99945-5444 - TIM, 99203-5472 - CLARO.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Pedido de esclarecimentos ao banco do Brasil

 
Acabei de encaminhar uma reclamação a superintendência do banco do Brasil, assim que tiver uma resposta comunicarei a vocês: Boa noite, mas uma vez estou aqui para fazer uma reclamação,  tendo em vista que o comércio de Touros-RN caminha a passos lentos, diante do caos nas agências bancárias. A população tourense sofre com a falta de agências bancárias da cidade, tendo em vista que o banco do Brasil foi arrombado à quase dois meses,  se pagar contas já era difícil agora ficou pior, sacar e depositar é muito pior, é preciso se deslocar para outros municípios. O comércio está parado, a circulação financeira na cidade está a cada dia pior, as pessoas que sacam em outras cidades, gastam por lá mesmo, um valor que poderia está circulando em Touros,  a situação é grave, os comerciantes padecem com esta situação sem prazo de retorno das agências. Conversei com a gerência e eles disseram que não tinha prazo de retorno,  gostaria que vocês desse uma resposta a população da cidade de Touros.

Att.
João Nelo de Oliveira
Agência: 2.731-6
Conta: 10.639-9